"Vidas Muito Boas", de J.K. Rowling

julho 25, 2018


Se você fosse me perguntar algumas semanas atrás se eu iria fazer resenha de algo escrito pela J.K. Rowling, eu provavelmente diria que não. Apesar de J.K. ser uma das minhas maiores inspirações femininas, eu não tinha em mente que leria nada dela por esses tempos. O legal da vida reside exatamente aí, em sermos surpreendidos.

Eis que eu estava passando pelas Lojas Americanas aqui da cidade dos meus pais e me deparei com esse livrinho de capa adorável e com o nome dessa mulher incrível. Nem procurei saber, apenas trouxe pra casa! Chegando aqui, descobri que o conteúdo era, na verdade, o discurso dela como paraninfa da Universidade de Harvard. Desde então, soube que viria algo inspirador e eu estava absolutamente certa.

O discurso gira em torno de dois temas: as vantagens do fracasso e a importância da imaginação. Lendo isso, imaginei o óbvio. Todo mundo que conhece a história da J.K. sabe que a imaginação mudou a vida dela quando ela criou um mundo mágico nos livros de Harry Potter e sabe também que o livro foi recusado diversas vezes por várias editoras. Presumi que a imaginação e o fracasso dos quais ela falaria residiria, então, na imaginação necessária para criar Harry Potter e nos fracassos até a saga se tornar um sucesso!

Dessa vez eu estava absolutamente errada. A autora realmente escolheu temas que lhe são caros, mas a imaginação e o fracasso dos quais ela falava vinha muito antes de Harry Potter ser escrito. Ela comenta sobre a escolha do seu curso na universidade, como ela gostaria de escrever, mas a vida real exigia dela muitas responsabilidades. Inclusive, ao descrever os fracassos, falou sobre o fim do seu casamento, a vida de mãe solteira e o desejo de ser mais e fazer mais do que aquilo a que a vida dela estava se resumindo naquele momento. 

Acontece que esse fracasso, como ela diz, foi extremamente fundamental para que um dia o sucesso chegasse e, em meio a essa passagem, uma das lições que foram essenciais para ela foi exatamente a possibilidade de se imaginar no lugar do outro, utilizar a imaginação a favor da empatia

Essa foi a maior surpresa do livro pra mim, colocar imaginação e fracasso em lugares que eu não achei que ela colocaria, com funções muito além das que eu imaginei. Claro que ao longo do discurso, J.K. comenta brilhantemente episódios de sua vida que a levaram a essas percepções, fazendo com que "Vidas Muito Boas" seja uma curta e inspiradora receita para se alcançar uma vida muito boa sendo um ser humano melhor.

Por fim, a frase que resume a essência do livro é: "Não precisamos de magia para transformar nosso mundo; todos já temos dentro de nós o poder de que precisamos".

Este livrinho de apenas 69 páginas, além de contar com uma edição linda em capa dura, letras vermelhas e muitas ilustrações, é um manifesto de alguém que transformou falhas e fracassos em muito sucesso e felicidade através da imaginação. Não deixem de ler!

Posts relacionados

2 comentários

  1. nossa adorei conhecer esse livro, muito interessante esse ponto de vista de que o fracasso pode levar a outras coisas, outros momentos de sucesso em nossa vida

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lívia! Realmente é um livro interessante demais e muito ispirador! Adoro seu blog, obrigada por comentar. :*

      Excluir