Minimalismo: um documentário para repensar seu estilo de vida

junho 07, 2018


Acho que uma das melhores ideias que eu tive ultimamente foi pedir dicas de documentários para vocês no Instagram (@karolgoncalvesblog). Todos os que eu assisti e escrevi aqui até agora realmente agregaram algo na minha vida ou foram grandes responsáveis por incríveis reflexões e mudanças. Caso você não tenha lido os posts anteriores, nós conversamos sobre Expedition Happiness e a constante necessidade de busca pela felicidade e falei sobre como minha alimentação mudou drasticamente com What The Health (leia esses posts aqui e aqui).

Hoje vamos falar sobre o documentário "Minimalismo: Um Documentário Sobre as Coisas Importantes" que, assim como os que eu citei anteriormente, me permitiu repensar meu estilo de vida e desejar a realização de mudanças.

A ideia do minimalismo remonta, num primeiro momento, a movimentos de artes, cultura e ciência do século XX, em que a expressividade era retratada através de poucos elementos. Em verdade, parte desse conceito ainda subsiste, mas no documentário que vamos falar hoje, o termo minimalismo nos é apresentado como um estilo de vida em que você repensa o que realmente é importante e desapega daquilo que não é!

Neste contexto, vamos conhecer a história de dois amigos, Joshua Fields e Ryan Nicodemus, que tiraram um momento para observar suas vidas e o rumo que ela estava tomando. Perceberam que estavam infelizes no trabalho, ansiosos, endividados, adquirindo coisas desnecessárias para suprir um evidente vazio existencial.

A declaração de um deles me deixou bastante reflexiva. Ele disse que trabalhava vendendo celulares e precisava bater metas de venda, vivia para incentivar o consumismo e se deparou um dia vendendo celulares para crianças de 5 anos de idade. Segundo ele, foi ali que ele percebeu que havia algo de errado.

Assim, Joshua e Ryan passaram a viajar de carro pelos EUA para dar palestras e apresentar a todo o ideal deles de uma vida minimalista. Nos trechos da palestra, é possível perceber que o que ele propõe não é que você se desfaça de tudo e viva numa casa vazia. Na verdade, eles propõem que você refine o olhar e observe aquilo que é REALMENTE importante! Ao perceber isso, fica mais fácil analisar que o que não for tão essencial, pode ser desapegado.

Até o momento eu estava pensando: "ah, legal, mas eu tenho uma coleção de livros que são o amor da minha vida e não tem como eu me desfazer deles". Curiosamente, eles comentaram em uma das palestras que se você coleciona algo, como livros, e eles são realmente significativos para você, então logicamente você deve mantê-los. A ideia é limpar tudo aquilo que você não precisa, que não é importante e perceber que esvaziar-se das coisas que não importam traz paz interior, propósito e felicidade.

Além das palestras, o documentário é repleto de entrevistas e relatos de pessoas que se mudaram pra casas muito menores, com menos móveis, pessoas que só possuem o que dá pra caber em uma bolsa e como suas vidas mudaram. Passaram de seres ansiosos e infelizes para pessoas que estão cercados apenas do que é realmente importante.

O documentário traz relatos inspiradores e realmente me permitiu pensar se eu preciso mesmo de todas as coisas que me cercam. Fiquei pensando que uma limpeza, uma análise de tudo que está ao nosso redor pode nos fazer muito bem. Fiquei muito inspirada a conhecer mais sobre o estilo de vida minimalista e a filtrar as minhas compras e as coisas que eu já possuo para o que realmente importa, o que eu realmente preciso.

Assim que terminei de assistir, comecei a observar meu quarto, minha casa e vi que realmente nós estamos cercados de coisas que não são tão significativas assim. Até a minha estante de livros, que eu sou tão apegada, não ficou sem ser analisada. Notei vários livros que eu nem tinha mais interesse em ler ou reler e, por isso, doei 5 na mesma semana e estou preparando a segunda leva.

Aconselho fortemente que você assista a esse documentário e tire suas próprias conclusões, sem qualquer pressão ou julgamento. Apenas veja e se permita refletir! A verdade é que um pouco de reflexão sobre o mundo que nos cerca e sobre o que trazemos para nossas vidas não pode fazer mal. 

É muito importante que estejamos sempre atentos à nossa felicidade e é mais importante ainda que a gente sempre procure formas de sentir completos independente da quantidade de coisas que a gente possua. Em verdade, o que precisamos é que essa completude faça parte de nós e não das coisas que possuímos!

Créditos: Imagem.

Posts relacionados

0 comentários