A segunda temporada de 13 Reasons Why: resenha, impressões e comentários

maio 23, 2018


A 2ª temporada de Os 13 porquês foi lançada pela Netflix no dia 18 de maio e, no mesmo dia, nós conversamos aqui sobre o primeiro episódio, sobre minhas impressões e o que eu achei que aconteceria (veja esse post aqui). Preciso dizer que dos apontamentos que eu fiz no final desse post, muitos deles estavam certos.

Como nós conversamos, o processo entre os Baker e a Liberty High tem seguimento e os garotos que aparecem nas fitas de Hanna começam a ser ouvidos. Tyler é o primeiro deles e os episódios acabam seguindo o mesmo rumo da temporada anterior, em que cada capítulo é destinado a uma pessoa, via de regra à pessoa que está depondo naquele dia.

Nessa estrutura, como eu tinha imaginado, nós vamos descobrir que há muito mais na história de Hanna do que o que foi contado nas fitas. Alguns dos depoimentos são bem surpreendentes. O do Zach, por exemplo, no episódio 6 revela acontecimentos muito importantes e verídicos sobre aquele verão em que Clay viaja e Hanna fica na cidade.

O depoimento do Clay mostra algumas cenas adoráveis entre eles e, confesso, me arrancou novas lágrimas. No depoimento do Tony nós descobrimos o porquê de Hanna ter deixado as fitas com ele e vemos um pouco mais sobre a amizade dos dois que não ficou tão clara na primeira temporada. O mesmo acontece com todos os garotos. Somos apresentados a novas informações sobre elementos que Hanna não quis expor nas fitas.

Isso faz com que a partes do tribunal sejam a espinha dorsal da temporada. Temos alguns elementos novos e, dentre eles, talvez o mais importante seja o processo. A série deu extrema relevância para as cenas durante o julgamento, justamente pelo fato nos possibilitar descobrir diversas outras coisas escondidas naquela história. 

Inclusive, as descobertas que fazemos durante o julgamento não diz respeito apenas aos alunos e Hanna, mas também possui relação com novos elementos na história dos pais de Hanna e da vida familiar da garota. Portanto, quanto ao processo entre os Baker e a Escola, sendo um dos principais elementos da temporada, nos permite a descoberta de muitos outros fatores e acontecimentos da história de Hanna.

Último fator sobre o processo e que eu preciso falar foi o tanto que ele me incomodou. A advogada da Escola se revelou uma profissional sem qualquer tipo de humanidade, parecia mesmo uma máquina que estava ali para vencer o processo. A tentativa de jogar toda a responsabilidade para cima dos pais de Hanna resultou em cenas super difíceis de aceitar, na minha opinião. Sem contar o desfecho do julgamento que me deixou embasbacada e nos permitiu refletir a efetividade da justiça, não só com relação à Hanna, mas também com relação aos outros crimes praticados e que vocês verão (não vou contar, essa resenha é sem spoiler, rs).

Outra coisa que comentamos no post anterior foi sobre as ameaças! Os garotos que vão depor estão sendo constantemente ameaçados e de formas assustadoras. Claro que o telespectador desconfia logo do Bryce, afinal ele seria o principal prejudicado no caso de alguém começar a falar sobre o que aconteceu com Hanna. 

Entretanto, fui surpreendida pela pessoa que estava realizando as ameaças. Eu realmente não esperava que fosse aquele indivíduo e também não esperava aquela descoberta adicional sobre o dia em que Hanna foi estuprada. O desfecho tem um pouco de relação com Alex e, como telespectadora, achei bem bacana a série ter surpreendido assim! 

Em que pese as constantes ameaças, alguém com conhecimento e participação no time está enviando polaroids para Clay, mostrando um local desconhecido, com indicações claras de que Hanna não foi a única que sofreu abusos pelos atletas do colégio. Este também é um elemento importante para a temporada, principalmente porque Clay parte com seu novo squad (Tony, Sheri, Justin) para descobrir que lugar é esse e chegar cada vez mais perto de finalmente trazer justiça para o caso de Hanna e de outras garotas.

Por falar em outras garotas, vão aparecer fotos nesse lugar que eles chamam de "O Clube" de muitas meninas que sofreram abusos lá, inclusive personagens antigas e personagens novas na série. Esse fator deixa comprovado que as condutas criminosas e abusivas tem sido perpetuadas de longas e longas datas pelos atletas! 

Então, as fitas realmente abrem espaço para as polaroids, que se tornam um dos focos dessa nova temporada. Como as fitas não estão sendo usadas no julgamento (o que me deixou muito aborrecida), os garotos encaram que as polaroids podem funcionar como um novo meio de prova e realmente se empenham para descobrir novas coisas sobre elas.

No geral, algo positivo que notei na nova temporada foi a mudança de alguns personagens. Se antes as fitas os faziam desejar que nada de suas condutas fossem descobertas, o processo em curso e os depoimentos trouxe claridade a respeito do ocorrido para alguns dos personagens. Foi legal ver que pessoas como a Courtney e outros finalmente assumindo erros, encarando aceitações e crescendo como personagens!

Inclusive, uma cena lindíssima nos últimos momentos do episódio final da temporada retrata justamente o crescimento de alguns personagens e a união deles. Prestem atenção nessa parte, é a cena do baile, quando toca "The Night We Met" e o Clay fica arrasado.

Apesar dessa parte legal de crescimento e amizade, essa é a menor parte da temporada. O que acontece e MUITO é o crescimento na insegurança. O clima de violência nessa temporada foi, para mim, elevado à máxima potência. Nós vamos ver alguns dos "outsiders" tomando atitudes proativas também de violência, temos várias cenas de armas, algumas de brigas e uma cena final de abuso, seguindo a vertente da primeira temporada.

Essa foi uma cena que me arrasou completamente. Eu ainda estou impactada e o nível de violência me deixou em prantos. Juro, eu não conseguia parar de chorar. A série certamente deixou clara e muito evidente a questão dos abusos, do bullying e da violência, mas como telespectadora eu preciso confessar que fiquei muito mal. Então, acreditem nos avisos do começo do episódio e, se você não se sente preparado para cenas dessa natureza, é melhor evitar.

Acredito que esses foram, sem spoiler, os pontos principais da 2ª temporada de Os 13 Porquês. Temos novos personagens, novos e vários abusos e condutas criminosas. Temos a realidade de jogar a culpa pra cima da mulher, da vítima, da mãe e isso dói bastante ao assistir, mas a gente também sabe que a série, desde o início, teve esse compromisso com mostrar uma verdade através do impacto.

Portanto, sabendo disso, posso dizer que gostei da segunda temporada. Acontece que na primeira eu fiquei reflexiva a respeito do nosso comportamento, nosso compromisso de ser melhor, de tratar melhor uns aos outros. Nessa temporada, apesar de dar ensejo a muitas reflexões a respeito das mulheres, dos pobres, do favoritismo judicial, eu fiquei tão chocada e realmente arrasada que esse sentimento ocupou mais espaço em mim do que as reflexões.

Acho que, especialmente no meu caso, esta não é uma característica que eu gosto, mas eu realmente procuro entender que esse foi um objetivo da temporada e foi alcançado com bastante sucesso. Portanto, só vou finalizar te pedindo pra ver com calma e analisar os avisos no começo da série para não ser surpreendido! Foi uma boa temporada, quanto ao crescimento de alguns personagens, mas foi uma temporada angustiante e chocante e essa é minha opinião final!

Posts relacionados

0 comentários