Como me tornei leitora

abril 12, 2018


Escrever esse post é como fazer um relato da minha vida quase toda. Posso afirmar com muita certeza que, desde que eu aprendi a ler, a leitura se tornou um elemento muito significativo na minha vida. Por isso, para fazer um relato mais fiel, contei com a ajuda de minha mãe pra gente resgatar memórias da minha infância, porque foi lá que tudo começou.

Eu realmente me apaixonei pela leitura desde que aprendi a ler. Minha mãe disse que eu fui uma das primeiras da turma a aprender a ler, com mais ou menos 4 anos. Eu saía lendo tudo pela rua, desde propagadas até destino dos ônibus. Inclusive, minha mãe diz que descobriu que eu já estava lendo porque a professora ligou pra ela pra contar que eu tinha lido uma frase inteira sozinha e estava lendo tudo que via pela frente.

Por causa disso, meus pais compraram muitos gibis e almanaques da Turma da Mônica (quem é dessa época também?). Cada vez que meu pai viajava, o que acontecia com frequência, eu esperava ansiosa o seu retorno porque ele sempre trazia gibis. Então, nesse primeiro momento, como eu era muito novinha, os quadrinhos eram meu objeto de leitura.

Minha primeira lembrança de ter lido um livro inteiro e me apaixonado COMPLETAMENTE foi aos 6 anos, quando li uma versão facilitada de O Homem da Máscara de Ferro, de Dumas. Começaria ali um amor imenso não só pelos livros, como também pela literatura francesa. Acontece que naquela época,  19 anos atrás, em 1999, eu não tinha acesso fácil aos livros, então eu terminava esse único exemplar que tinha lá em casa de O Homem da Máscara de Ferro e voltava a ler do começo.

Eu não sei dizer quantas vezes eu li essa obra, só sei que eu terminava e voltava para o começo imediatamente. Lembro que eu andava pela casa com o rosto enfiado nele e que eu não entendi muito bem o final, até porque eu era muito novinha. Eu relia avidamente procurando algo que eu poderia ter deixado passar e tentando decifrar os simbolismos de um livro tão histórico e tão adulto.

Alguns anos depois, meus pais decidiram não ter mais televisão em casa e essa decisão acabou por me entregar inteiramente ao mundo da leitura. Uma criança na década de 90 que não tinha TV e que era apaixonada por leitura, não poderia fazer outra coisa que não fosse ler. Claro que ainda tínhamos os problemas da escassez dos livros.

Quando eu queria dar uma pausa da leitura contínua de Dumas, eu lia meus livros de história do colégio. Eu me jogava nos de séries anteriores, nos da série que eu estava no momento e não tinha tempo ruim. Era uma ocupação fascinante.

Muita gente se assusta com a informação de eu ter crescido sem TV, mas eu fui uma criança imensamente feliz com os livros e quando eu digo que eles são meus companheiros desde sempre, não há qualquer exagero nessa frase!

Alguns anos depois, agora entre 10 e 11 anos, meus pais me colocaram num colégio um pouco maior e que tinha uma biblioteca! Eu finalmente pude abandonar aquela edição surrada de Dumas e partir para outros livros. Não tinha muita variedade, mas naquela época lembro de ter lido um romance sobre crianças de rua que me chocou muito e me deixou bastante pensativa. Eu falava sobre esse livro para TODO MUNDO!

Aos 12 anos eu e meus pais nos mudamos para Cataguases - Minas Gerais, que é uma cidade muito especial e que na época tinha um cenário cultural bacana e bastante voltado para a leitura. Eu já era uma leitora e já há muito tempo apaixonada pelos livros, mas acredito que foi nessa época que eu comecei a moldar os meus gostos.

Até o momento eu amava ler, independente do que eu estava lendo e eu precisava ler o que tinha. Quando eu me mudei de Salvador pra Minas eu entrei pra um colégio que tinha uma biblioteca bacana e a cidade tinha uma biblioteca municipal incrível também. Nem preciso dizer que foi só alegria né?

Nessa época eu li MUITOS romances de coleções que a biblioteca da escola oferecia. Já na biblioteca municipal eu descobri três amores que são muitos conhecidos: SIDNEY SHELDON, AGATHA CHRISTIE, DANIELLE STEEL. Se eu não li todos, passei perto de ler todos os livros deles que estavam disponíveis na biblioteca municipal. Era meu lugar preferido na cidade, me perdia naquelas prateleiras cheias de livros antigos.

Com 13 anos escolhi minha profissão por causa de um livro no Sidney Sheldon e sou apaixonada pelo curso de Direito até hoje, com quase 2 anos de formada!

Alguns anos depois, descobri outro lugar na cidade que se tornou muito especial pra mim. Era uma livraria chamada Café com Livros que não só vendia os livros como permitia que você lesse as obras lá. Nos fundos do estabelecimento tinha uma mesa de madeira, muitas plantas ao ar livre e era um lugar extremamente agradável.

Eu estava com 15 pra 16 anos já, ainda não tinha dinheiro pra comprar livros e estava passando pela primeira decepção amorosa da vida, então eu passava TODAS as minhas tardes no Café com Livros. Ia depois do almoço e só saía na hora que fechava. Nesse período, eu comecei a ler nada mais nada menos que Harry Potter!

Isso mesmo, eu li HP bem tarde. O primeiro filme eu comecei a ver quando ainda tinha TV em casa e me apaixonei, mas só tive acesso aos livros bem mais velha. De qualquer forma, depois eu faço um post só com minha história com o bruxinho mais amado do planeta!

Com 17 anos eu voltei a morar na Bahia, em Salvador. Na capital não é tão fácil uma adolescente sair pra passar o dia numa biblioteca e voltar à noite. Entretanto, eu passei a morar do lado de um shopping que tinha uma Livraria Saraiva. Então, começou aí a tentativa de adquirir meus próprios livros.

Mantive o perfil anterior de ler bastante romance, finalmente adquiri os livros de Harry Potter e iniciei a leitura de muitas obras de aventura, fantasia, jovem adulto. Vieram as trilogias, as quadrilogias, séries... Aos 19 eu comecei a trabalhar e ficou bem mais fácil adquirir meus livros!

Desde então tenho comprado livros, moldado meus gostos e me apaixonado cada vez mais por esse universo. Deixei um pouco as aventuras de lado, abandonei quase por completo as fantasias e me joguei nos clássicos, nos famosos e aclamados livros da literatura mundial, passei a ler autores que eu tinha medo de não entender e aceitei muitos desafios que o crescimento nesse universo exigia.

Tem sido uma jornada encantadora, mesmo quando eu não tinha muitas coisas pra ler. Muito da pessoa que eu me tornei é graças aos livros. Me li em muitos, me encontrei em vários, tomei decisões com base em aprendizados que os livros me trouxeram e escolhi a profissão que seria para o resto da vida por causa de um livro.

Por isso, essa é uma história de amor desde o princípio.

Entretanto, preciso falar que é só uma história e não a regra. Que sirva de inspiração, mas nunca de comparação. Quero dizer com isso que não é porque eu comecei a ler desde cedo que existe idade certa para começar! O importante é encontrar prazer e felicidade na leitura!

Posts relacionados

4 comentários

  1. Oi Karol!
    Amo ler as histórias de como as pessoas se tornaram leitores.
    Nem preciso dizer que amei sua história!
    Turma da Mônica sendo sempre inspiração e pontapé inicial para nos iniciar nesse mundo.
    Senti uma pontada de nostalgia aqui com as descobertas de novos livros,novos autores,novos lugares.....E não podia faltar HP!Lembro até hoje como comecei a ler HP e na época não tinha tanto dinheiro pra comprar livros então acabei lendo e relendo muitas vezes o primeiro livro kkkkkkkkk
    Também acho,qualquer momento é oportunidade pra descobrir o amor pela leitura.Não é porque começamos desde cedo que não se possa começar já adulto.
    O importante é começar em algum momento :D
    Beijos!

    http://livreirocultural.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também AMO ler histórias das pessoas como leitoras. Até mesmo por isso que decidi escrever a minha...

      Então, acho que quase todo mundo que começou a ler desde novinho passou por essa coisa de ter que ler o mesmo livro várias vezes. Mas isso só prova o quanto a leitura foi especial na nossa vida né?

      Muito obrigada por comentar!

      Excluir
  2. Realmente não há idade certa para começar a gostar de ler. Eu me sinto orgulhosa de certa forma de passar esse amor aos livros para meus amigos que estão começando a se interessar mais e até minha mãe, que sempre me incentivou a ler, mas nunca "tinha tempo", acredita? Precisou quebrar uma perna e ficar um bom tempo de molho para ler, pois estava entediada. Desde então aprendeu o caminho da minha estante e lê até mais rápido que eu... kkkk
    Achei muito linda sua história e interessante o fato de seus pais decidirem não ter mais TV em casa. Vejo muitas pessoas falando dessa campanha, mas não sei se eu ficaria sem ela, até por causa das séries que gosto de ver... rs
    Mas gostei bastante de sua história, especialmente do primeiro livro que leu, começou super bem, um clássico dos meus favoritos. S2
    Bjks!

    Mundinho da Hanna

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que história incrível. É muito especial isso de você não só ter se tornado leitora como também inspirar pessoas ao seu redor. Muito linda a iniciativa.

      E sobre a TV, é em difícil se imaginar sem, mas depois que você deixa de ter, até que dá pra acostumar mais rápido do que a gente imagina.

      Obrigada pelo comentário lindo! Bjs...

      Excluir